Se por acaso me vires por aí
Finge que não me vês


Pois já não sou ninguém...
Já não pertenço a este mundo...


Vagueio pelos lugares que conheço
É difícil separar-me deles…


Não digas a ninguém que me viste
Não sigas a minha sombra


A porta está aberta
Mas ainda não é a tua vez!


11 comentários:

literatura disse...

Como ia a passar e a porta estava aberta, entrei. Posso...?
Belas palavras, lindo poema.
Beijos

Baraújo disse...

se por acaso te vir
não consigo fingir
que não te vejo
não consigo ignorar
nem tão pouco desviar o olhar

se te vir,
é porque és alguém
que pertence a este mundo...

e mesmo que vagueies
e que te percas e que te encontres

continuo a ver.te da mesma maneira
aquela por ter recusado o teu pedido...

e mesmo com a porta aberta
não te preocupes...
eu bato antes de entrar...

beijo terno...

PS... desculpa o devaneio em tom de resposta...
PS* tens uma imagem que adoro...

daniel disse...

Olá Cleo

Passa-se ao alem, avisa-se poeticamente, para o Éden, que afinal tudo tem fim.
Jeito suave de o fazer! Boa!...

Beijos
Daniel

Manuela disse...

coisa pouca... achas?
há uma vez para tudo e todos, quando deixamos a porta encostada... aqui perco-me nas tuas palavras, sombras e na música.

beijinhos

Carlos Barros disse...

Desde já desculpa...

A Editora Contra Margem e o autor convidam-no a estar presente no lançamento do livro
- Como matei o Ministro – do jornalista Carlos J. Barros. A obra vai ser apresentada por Paulino Coelho, no dia 12 de Abril (sábado) pelas 17 horas, na Lisbon AD School,Rua Dr. Nicolau de Bettencourt nº 45A, 1050 - 078 Lisboa. ( Frente ao centro de Arte Moderna – CAM – Gulbenkian)

Obrigado e mais uma vez desculpa...

multiolhares disse...

tudo tem um principio e um fim, só temos de esperar o nosso
beijinhos

melgadoporto disse...

Vagueia!
Até podes pedir para que te não “vejam”!
Mas alguém verá e esperará na soleira da porta.
Até que mandes entrar…
:-)

Gotika disse...

Minha doce amiga
Como posso dizer!
Se na verdade é um ser maravilhoso...
Desejo te um lindo fim de semana cheio de paz e amor.
Deixo te um beijo gotiko

isabel disse...

então deixo um beijo

(isabelinha)

Iana disse...

Desculpas a minha ausênsia ok?!?!

"Encontrar um amigo é decobrir um tesouro etalvez seja até mais:
Pois um amigo traz mais consistência a nós, por existir.

Um tesouro é inerte e tanto faz qual o sentimento estamos a curtir
Um tesouro não tem como influir;
O amigo é diferente, ele é capaz de se alegrar connosco ou de sofrer
quando estamos sofrendo!!!

Beijos, beijos, e beijos adoro você
Iana!!!

Anabela disse...

Querida,

O texto está delicioso.
A imagem lembrou-me um livro que adorei: 'Memórias de uma Gueixa', que (nessa edição) tinha precisamente essa imagem na capa.


Beijo doce