Imaginei-me em cima do teu alado dorso
Cavalgando para lá do infinito...
Ao largo do buraco negro do tempo
Onde as estrelas seriam
Os archotes que nos iluminariam
Esse desconhecido caminho…



3 comentários:

Vício disse...

como habitualmente... um triangulo perfeito entre imagem, palavras e som!

por mais vezes que passemos por um caminho há sempre algo novo! será esse caminho conhecido?

MIMO-TE disse...

Lindissimo, adorei poema e imagem!
Fico-me aqui a imaginar...

Bjo
Mimo-te

PHYLOS disse...

Excedlente o teu espaço, gostei. Abraço cordial.